Game of Thrones ficará para sempre como uma das maiores
séries de televisão de todos os tempos. No seu auge era incomparável, quase
superando o brilho de Breaking Bad às vezes. Claro, a narrativa se desviou dos
livros, mas em grande parte conseguiu manter as coisas tensas e o mais
importante, seu público fisgado.

Muito da razão pela qual Game of Thrones funcionou tão bem é
por causa da maneira como ele contrariou as tendências usuais vistas na
fantasia. Os mocinhos nobres e virtuosos não estavam necessariamente seguros (como
por exemplo a morte de Ned Stark), enquanto o reino tumultuado, mergulhado em
jogadas de poder traiçoeiras, tornava tudo ainda mais tenso porque você sabia
que a ameaça pesava sobre nossos personagens. Claro que as duas últimas
temporadas acabaram sendo um desastre e se tornou um dos piores finais para
qualquer série de TV.

Entretanto, a HBO quis continuar a mexer no vespeiro intrigante
criado por George R.R. Martin e eis que surgiu a ideia de explorar as prequels de
Game of Thrones com A Casa do Dragão (House of the Dragon). A produção foi
anunciada com a intenção de voltar centenas de anos atrás para ver a ascensão e
queda dos Targaryens e muitas pessoas acabaram tendo apreensão sobre como seria
a exploração, embora um pouco lento e com alguns problemas pelo caminho, A Casa
do Dragão é uma das maiores surpresas deste ano, sendo um drama de época bem
escrito e politicamente carregado com uma pitada de pintura de fantasia relativamente
gostosa de ser assistida.

Supervisionada por George R.R. Martin, A Casa do Dragão retrata
a história sangrenta dos Targaryen, 172 anos antes do nascimento de Daenerys
Targaryen. O rei Viserys I está no trono e está desesperado para que um filho
assuma sua sucessão. No entanto, ele não consegue um, então sua filha Rhaenyra
cresce com o potencial de herdar o trono. Isto é, até que Viserys se case com
Alicent Hightower, a boa amiga de Rhaenyra e os dois tenham filhos juntos.

Através de vários saltos no tempo, Rhaenyra também se casa,
mas com o filho de Lord Corlys, Laenor Velaryon. Com os laços entre os Velaryon
e Targaryen ficam fortes, a atenção logo se volta para o Trono de Ferro e as
sementes da guerra começam a brotar ao lado dos filhos de Alicent e Rhaenyra.

Prometendo ser direta desde o começo, a produção mantém as características
usuais do trabalho de George R.R. Martin presentes com uma hierarquia familiar
complicada em jogo, muitos choques e alguns diálogos poéticos e prenunciados
por toda parte. O que é particularmente bom aqui é como a série não trata você
como um idiota, pois tantos programas hoje em dia alimentam sua exposição
enquanto o diálogo dos personagens explica exatamente o que as pessoas querem
ou precisam para manter o público interessado. Mas A Casa do Dragão, no entanto,
não faz isso, na verdade a série ofusca intencionalmente muitas das motivações
de seus personagens, deixando você descobrir o que as pessoas querem e desejam,
gerando algumas discussões fascinantes entre os fãs.

Visualmente a série da HBO é muito boa e deixa os fãs de
Dracarys bem entusiasmados com seus dragões. Muito desta temporada é filmada em
interiores escuros e com cenários minimalistas, com a intenção de construir
este mundo e as alianças políticas, mais do que jogar dragões em cenários de
ação bombásticos por causa disso. No entanto, quando os dragões aparecem é
ainda mais poderoso e majestoso, com o tamanho e a escala dessas criaturas de
cair o queixo às vezes, tudo isso fica ainda mais majestoso com a atuação exuberante do elenco da série, destaques para Paddy Considine (merece o Emmy), Matt Smith, Olivia Cooke, Emma D’Arcy, Milly Alcock, Steve Toussaint, Eve Best e Rhys Ifans.

Mas obviamente que A Casa do Dragão tem suas falhas,
especialmente quando se trata de onde essa história termina e a distinta falta
de tensão pairando no fundo como Game of Thrones teve. Não só isso, há algumas
liberdades de saltos lógicos que são tomadas com diferentes partes da
narrativa, incluindo um final questionável para o episódio 9 e um antagonista
inicial mal desenvolvido, o Engorda Caranguejo.

No geral, a 1º temporada de A Casa do Dragão se desenrola
como um drama de época de fantasia envolvente e que consegue conquistar o
espectador com o crescimento de sua trama, temos cenas de de ação rápidas, mas
o objetivo da série situar o espectador na mitologia de Game of Thrones e
preparar-nos para ver o mais rápido possível o que ouvimos nas histórias
contadas por Daenerys Targaryen, tornando A Casa do Dragão um bom exemplo de
uma série que supera as expectativas e se concentra exclusivamente em sua
narrativa e nas tramas da história, em vez de tentar impressionar com
espetáculos chamativos e a construção de um mundo vazio.


Nota: 4/5

Trailer:

Continue ligado no Protocolo XP nas redes sociais, estamos no Facebook e Instagram.
Sem Avaliação

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.