O curto e terrível período da Alemanha nazista foi bem
coberto pelo cinema nos 77 anos desde o fim da guerra, pois lembrar a história
para não sermos condenados a repeti-la nunca foi tão importante. Muitos deles
foram contados da perspectiva dos EUA ou do Reino Unido, mas A Conferência (The
Conference/Die Wannseekonferenz) segue a tradição do altamente parodiado A
Queda! As Últimas Horas de Hitler, ao ser um filme no qual a Alemanha examina
criticamente sua própria história.

A Conferência no qual o título do filme se refere é da famosa
reunião de Wannsee em 1942, que contou com altos funcionários do governo da
Alemanha nazista e líderes da Schutzstaffel (SS) em Berlim. O tema da reunião
era determinar a “solução final para a questão judaica”, colocando em movimento
as maquinações que culminaram no Holocausto de cerca de seis milhões de judeus
em toda a Europa até o final da guerra em 1945.

Uma das principais figuras nesta conferência a sangue-frio,
pelo menos como retratado no filme do diretor Matti Geschonneck, foi Reinhard
Heydrich, Chefe do Escritório Central de Segurança do Reich (interpretado por Philipp
Hochmair). Juntamente com Adolf Eichmann (Johannes Allmayer) e Wilhelm Stuckart
(Godehard Giese), eles discutem os aspectos práticos de seus planos.

Geschonneck apresenta um filme com um estilo docudrama,
então há um certo elemento de frieza clínica nos procedimentos. O que parece
ser o modus operandi dessa produção é apresentar os fatos como eles
aconteceram, nas palavras das pessoas que cometeram as atrocidades, enquanto
eles fazem uma pausa para beber e tomar um café. A quase silenciosa Ingeburg
Werleman (Lilli Fichtner), uma secretária e fotógrafa muito real, senta-se no
canto como um lembrete de que houve testemunhas dessa história. (O testemunho
de Werleman foi usado mais tarde em julgamentos de crimes de guerra).

O elenco segue uma linha tênue em seus papéis infames,
sabendo que eles não podem tornar esses personagens simpáticos. No entanto,
eles não apenas seguem os movimentos, adotando a filosofia mais ampla do filme
de permitir que o público e a história julguem esses monstros tão duramente
quanto queremos.

Nos momentos finais, quando as peças se encaixam em seus
planos horríveis, finalmente vemos por que Geschonneck e o roteirista Magnus
Vattrodt adotaram essa abordagem. Enquanto emitem memorandos, um funcionário
comenta que “ninguém dirá que não sabia de nada”. A visão do diretor com a
própria história da Alemanha é de culpa coletiva e um lembrete de que a vida e
as liberdades podem ser tiradas por um grupo de homens em uma sala em um único
dia.

No geral, A Conferência é uma peça importante no vasto
catalogo sobre produções cinematográficas que narram períodos terríveis na 2º Guerra
Mundial, embora o assunto possa parecer tedioso (embora horripilante), o longa
é transformado em um filme emocionalmente satisfatório e completamente
assistível para quem adora filmes históricos.


Nota: 4/5
Trailer:

Continue ligado no Protocolo XP nas redes sociais, estamos no Facebook e Instagram.
Sem Avaliação

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.