Crítica | Ursinho Pooh: Sangue e Mel


Em Ursinho Pooh: Sangue e Mel, quando Christopher Robin cresce e deixa seus amigos híbridos para trás na Floresta dos Cem Acres para ir para a faculdade, Winnie the Pooh e Piglet enlouquecem e juram vingança contra os humanos e partem para uma caçada sangrenta. de uma nova fonte de alimento. 

Com mais de 100 anos, o Ursinho Pooh e os outros habitantes do Bosque dos Cem Acres são personagens infantis icônicos. Nos livros e  animações da Disney,  o eterno Milne chegou ao público, assim como diversas histórias conhecidas que aquecem a memória emocional da nossa infância, como por exemplo: Peter Pan, Bambi. Um número significativo de produções mostrando a doce amizade entre o ursinho de pelúcia e o menino Christopher Robin teria recebido uma abordagem mais ousada da obra ou  mesmo uma reinterpretação que mostrasse o lado mais sombrio da história. Então, por que não fazer do Ursinho Pooh um assassino em série de terror sádico? 


Ursinho Pooh: Sangue e Mel (Winnie the Pooh: Blood and Honey) se identifica sem muita história, a não ser por um prefácio notavelmente criativo e bem falado que antecede a obra e seus acontecimentos grotescos  no melhor estilo da literatura infantil. slasher desde o primeiro momento e tenta usar a enorme quantidade de material disponível. No entanto, o filme é lento para simplesmente capitalizar o básico, como a forma híbrida de seus principais antagonistas, o que poderia ter rendido algo mais caricatural, inclinando-se para o sadismo cômico  de terror B, mas se contentando com a estranheza. efeito, sem força suficiente para assustar. 

Embora Ursinho Pooh: Sangue e Mel estivesse apertado em um  orçamento de $ 100.000, Ursinho Pooh: Sangue e Mel não era bom em transformar uma produção barata em algo criativo, empilhado em mortes genéricas,  iluminação ruim que torna impossível para o público. sabe o que está acontecendo, terrível. uma  sequência de ação em um veículo em movimento, além de máscaras de Pooh e Piglet que parecem assustadoras. Ao cortar a quantidade exagerada de personagens sem sentido do filme, o diretor, escritor e produtor Rhys Frake-Waterfield teria entregado um slasher divertido que fazia justiça às obras dos anos 80 que geraram o subgênero, ao invés de uma obra considerada “mais”. do mesmo”, sem nenhum elemento chamativo ou simplesmente divertido. 


Ursinho Pooh: Sangue e Mel possui um elenco de personagens cujo limite de uso é ridículo. Entre os atores, nomes desconhecidos  como Craig David Dowsett (Pooh), Nikolai Leon (Christopher Robin), Chris Cordell (Piggy), Amber Doig-Throne (Alice), Maria Taylor (Maria), Natasha Rose Mills (Jessica). 

Os únicos quem consegue convencer mesmo com atuações questionáveis ​​são Leon e Taylor. Sem um roteiro que simplesmente descreva um contexto interessante mas que ignore um assunto com potencial considerável, cheio de clichês terríveis e meios técnicos que ultrapassam o amadorismo, Ursinho Pooh: Sangue e Mel não entretém, não impressiona com suas qualidades. violência gráfica. já foi visto em melhores produções  do gênero e deve convencer muito o público na  já consagrada continuação. Por outro lado, Ursinho Pooh: Sangue e Mel abundam, sobretudo nas raras cenas de horror mórbido.

NOTA: 1/5



Continue ligado no Protocolo XP nas redes sociais, estamos no Facebook e Instagram.
NOTA: 1.5/10

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.