Quanto realmente entendemos
o custo humano em uma guerra, expandimos nossa linguagem e o escopo para
compreendermos a história e os conflitos com filmes de guerra que examinam
especificamente as crises de saúde mental de combatentes e civis. Não
importa quão sofisticado ou complexo, a reação ao ver como a guerra pode nos
separar em um nível molecular nunca diminui e mesmo mostrando por um ângulo diferente,
Klondike: A Guerra na Ucrânia aborda um drama de guerra angustiante e as
vezes absurdo, ambientado em um conflito devastador com a Rússia.

Referindo-se à corrida do ouro de
Klondike (o cenário da famosa comédia silenciosa de Chaplin), poderíamos
esperar a ressonância de dois eventos históricos para se sobrepor ou pelo menos
sentir uma ligação entre o assunto real e a analogia deste longa que venceu o prêmio
de Direção Dramática no Festival de Cinema de Sundance neste ano de 2022. A
produção aborda a guerra de Donbas, um conflito armado entre a Rússia e a
Ucrânia na região de Donetsk que começou em 2014. Irka e Tolik são um casal que
vive em uma vila em Donetsk que foi devastada por batalhas entre forças
ucranianas e grupos separatistas. O casal está esperando seu primeiro
filho, levando as apostas de sua vida perto da violência a alturas
inacreditáveis. 

A diretora Maryna Er Gorbach cria
uma tensão insuportável com escolhas de direção marcantes e
reverentes. Ela não procura recriar o caos de uma zona de guerra, mas sim
capturar suas brutalidades silenciosamente cruéis. Ela manterá sua câmera
parada enquanto veículos militares entram e saem do quadro no fundo de uma
conversa entre Tolik e seu amigo. Ela adora manter o foco no ambiente
devastado, mesmo que seus personagens saiam de uma cena para continuar uma
tarefa. Ela comunica ao espectador de forma cuidadosa como Irka e Tolik
são pequenos no contexto da enormidade do mundo ameaçador ao seu redor.

Essa escolha de direção eleva a
grandeza técnica que o longa aborda e o uso da câmera panorâmica é constante. A
diretora abre o filme com isso e captura com grande precisão como um avião
derrubado que acabou desmoronando brutalmente as vidas de Tolik e
Irka. Quando a câmera finalmente para no buraco gigante na casa do casal
temos o amanhecer ao fundo que nos surpreende com uma beleza inegável e um horror
inegável. É uma técnica de filmagem que Gorbach retorna com frequência ao
longo do filme e é eficaz todas as vezes. Em momentos de terror violento e
observação silenciosa, Gorbach nunca perde a noção de como a guerra pode ser
destrutiva, especialmente para uma família em ascensão que é pega no fogo cruzado
físico e ideológico. Isso torna sua resiliência e determinação de viver incrivelmente
atraente e também aumenta a tragédia que se abate sobre eles.

No geral, o lançamento de Klondike:
A Guerra na Ucrânia coincide com a situação cada vez mais hostil entre a
Ucrânia e a Rússia, é quase impossível que esse contexto não ressoe enquanto
você assiste às lutas de Tolik e Irka. Para aqueles que podem observar o
conflito de uma distância remota e desinteressada, o filme de Gorbach
certamente o aproximará, mesmo com as barreiras linguísticas e as nuances
geopolíticas não obscurecem a imagem de uma mulher grávida lutando para
sobreviver ao impensável pelo bem de seu filho e quer você queira ou não, a produção
tem uma declaração política que é inegavelmente humana e empática que é trazida
vividamente a vida. 


Nota: 4/5

Sinopse:

Em 2014, no momento em que começa a Guerra em Donbas, o casal de ucranianos Irka e Tolik vive na região da fronteira entre seu país e a Rússia. Ela está grávida, e se recusa a abandonar sua casa, mesmo quando seu vilarejo é tomado pelas forças armadas. Tudo fica ainda mais complicado quando um avião civil é abatido e cai na região.


Trailer:


Continue ligado no Protocolo XP nas redes sociais, estamos no Facebook e Instagram.

Sem Avaliação

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.